Festivais de Música por Hugo Figueiredo, Diretor Marca e Comunicação NOS

hugo figueiredo.jpg

Hugo Figueiredo, Diretor de Marca e Comunicação da NOS, falou com a APORFEST e deu-nos a sua perspectiva sobre festivais de música e a sua importância para a estratégia da NOS.



APORFEST (A): Os festivais de música são vistos como o maior instrumento de activação de marca da NOS (em continuidade com a anterior marca de telecomunicações da qual originaram), não tendo em conta campanhas publicitárias ou acções de comunicação para serviços ou produtos específicos. Porquê esta escolha?


HUGO FIGUEIREDO (HF): A música tem características únicas e pelo seu envolvimento emocional revela-se particularmente relevante para a generalidade das pessoas. Confirmámos essa importância num estudo realizado recentemente pela TNS, onde aproximadamente 40% dos inquiridos consideram a música “muito importante na sua vida”, fazendo parte do seu dia-a-dia.


Este território acaba por ser usado como um forte instrumento de marketing pelas grandes marcas, por um lado como meio de aproximação ao seu público, mas também porque transmite valores associados ao dinamismo, força, inovação e modernidade.


Por outro lado, pela sua abrangência, a música está cada vez mais associada a um grande número de conteúdos e serviços disponibilizados pelas empresas de telecomunicações móveis, o que justifica adicionalmente a associação a este território.


A: Se compararmos com o futebol, quais são as vantagens que vêm nos festivais de música?


HF: A música e o futebol são, sem dúvida, duas das áreas de eleição no que diz respeito a patrocínios. E as nossas antigas marcas são bem o reflexo dessa realidade: tivemos a Optimus a apostar muito forte na música e a ZON com um papel central no futebol nacional. São duas realidades distintas, em patamares diferentes, com níveis de disputa diferentes, com níveis de investimento diferentes e com diferentes oportunidades para uma marca se tornar relevante.


No caso da NOS, pelo menos para já, mantemos e reforçamos a aposta na música, sobretudo porque nos permite ser relevantes graças ao nosso projeto integrado. Queremos muito mais do que patrocinar festivais! Queremos ajudar os músicos a fazerem música e a gravarem/editarem, e para isso temos uma editora, a NOS Discos; queremos ajudar a dar visibilidade aos projetos a que estamos ligados e tornar a música acessível a todos os fãs, conseguindo isso com os eventos NOS em D’Bandada e NOS em Palco; e mesmo no que diz respeito aos festivais, queremos trabalhar lado a lado com os promotores, com as Câmaras e com todos os outros parceiros, de forma a usar os festivais como polos de dinamização e como palco para o que de melhor Portugal tem. É isso que fazemos no NOS Alive, que tem um papel nacional e internacional incontornável, e é o que fazemos no NOS Primavera Sound, que é um elemento central de dinamização e promoção da cidade e da região.