Primazia à qualidade de equipamentos audiovisuais. Entrevista: António de Ponte (Polishows Eventos)

Produção, organização de eventos e aluguer de equipamentos são os três vetores principais de atuação no mercado português. Um novo player que entra no mercado português mas já com a bagagem de 25 anos no mercado difícil e complexo que é o do Brasil. Falámos com o seu diretor, António de Ponte, depois da experiência do Talkfest e Iberian Festival Awards, onde pudemos potenciar a qualidade de audiovisuais disponível no mesmo, tendo por comparação as anteriores edições.


APORFEST: A Polishows Eventos é uma empresa com recente atuação no mercado português, mas já com uma grande experiência noutros mercados. Como se pode caracterizar a sua empresa?

António de Ponte (diretor): Uma empresa dinâmica e inovadora, comprometida, a 100%, com a satisfação de seus clientes e que busca atendê-los com a eficiência característica de quem carrega uma bagagem de 25 anos de experiência no ramo dos eventos.


Que eventos realizaram no Brasil e qual a história evolutiva neste país?

Resumindo, a brincadeira de um adolescente se transformou na paixão pela profissão, e tomou forma de empresa no ano de 1992, com forte investimento ao longo dos anos em equipamentos de sonorização e iluminação, e estruturas para shows, procurando, a cada ano, inovar com produtos de qualidade e tecnologia. A empresa especializada em aluguer de equipamentos de sonorização e iluminação, bem como estruturas metálicas e organização de eventos, atuava tanto no ramo publico, participando de concursos públicos diversos, divididos em eventos de pequeno, médio e grande dimensão, como também, no setor privado, atendendo projetos específicos de acordo com a necessidade de cada cliente. Dentro dos eventos realizados, podemos destacar: carnavais de rua (desfile de escolas de samba) de diversas cidades, eventos Gospel, rodeos, shows musicais, workshops, espetáculos de dança e teatro, orquestras sinfónicas e filarmónicas, entre muitos outros.


Que diferenças encontra no mercado cultural de Portugal e Brasil?

Tecnicamente, o mercado português, assemelha-se bastante ao brasileiro, diferenciando-se apenas na sua sazonalidade.


Como se pode então diferenciar a sua empresa de outras que atuam na mesma área de negócio? Como quer marcar a diferença num mercado com muita oferta, mas com muita rotação de players?

Acreditamos que a diversidade de equipamentos para aluguer nos possibilitará um diferencial na área, mas, não só. Estamos certos de que nossa experiência, no seguimento de Produção e Organização de