Talkfest e Iberian Festival Awards 2018: números e conclusões.

Ocorreu, na pretérita semana, a 7ª edição do Talkfest, com dois dias de atividades que decorreram em Lisboa entre o Fórum Lisboa (Iberian Festival Awards) e o Museu das Comunicações (Conferências, apresentações, seminários, exposições, job fair e encontro de promotores ibéricos).


Os Iberian Festival Awards, depois de edição passada em Barcelona, tiveram um auditório com o dobro da lotação das edições anteriores, para receber mais atuações ao vivo e categorias premiadas. Uma noite para recordar, em que se assitiu a uma sala pronta para aproveitar as atuações ao vivo (Miguel Araújo, Desakato, Madrepaz, Whales, Quartoaquarto e All You Can Swing - com um medley dos melhores artistas mundiais que já pisaram os festivais de música) enquanto eram indicados os vencedores nacionais e ibéricos de um total de 23 categorias.

A noite foi de festa, a gala apenas um pretexto para encontros, reencontros, abraços e reforços de parcerias com o intuito de aumentar a competitividade desta área. Resurrection Fest, Fmm Sines, O Sol da Caparica, Festival Med, Bons Sons, Wam Estrella de Levante e Bilbao BBK Live receberam mais que um galardão. Roberta Medina (vice-presidente Rock in Rio Lisboa) foi indicada também com o prémio Excellence Award pelo trabalho evolutivo do seu projeto a cada edição e que catapulta através da dimensão do mesmo a qualidade dos seus concorrentes e dos stakeholders (e.g. prestadores de serviços - audiovisuais, media partners e parceiros).

O Talkfest foi, uma vez mais, a mostra de discussão dos temas da atualidade que interferem na esfera dos festivais, assim como apresentação de projetos que servem para a otimização de processos nesta área.


Promotores, presidentes, autarcas, artistas, jornalistas e prestadores de serviços juntos dentro e fora dos vários auditórios/salas em prol da aquisição de ferramentas e potenciação da sua rede de contactos. Várias foram as notícias dadas em primeira mão, destacando-se ainda: a apresentação do estudo de caso do Roskilde festival, explicado pela diretora do mesmo, Signe Lopdrup, num festival sem fins lucrativos mas que se profissionaliza baseado num objetico humanitário através dos voluntários; a temática das bilhéticas e em como os festivais portugueses vão evoluir para a aceitação das vendas paralelas e online junto do seu público; as marcas pretendem notoriedade e sabem o buzz que vão ter ao estarem contextualizadas num festival através do impacto da partilha de imagens e vídeos do público nas redes sociais.


Destaque ainda para a apresentação da edição de 2017 do "O perfil do festivaleiro" (estudo da APORFEST) que indicou um aumento do nº de festivais consumidos. Existiram: 4 salas com programação simultânea em todo os momentos (conferências, apresentações profissionais/científicas, seminários); um momento exclusivo só para promotores ibéricos com o objetivo de serem otimizadas sinergias numa distância a dois anos e esteve patente a exposição fotográfica "O poder dos festivais".


A edição de 2019, do Talkfest, está já confirmada para março. O primeiro dia continuará dedicado aos Iberian Festival Awards e o segundo preenchido por um número extenso de atividades com o intuito de se debater e trabalhar o futuro dos festivais em Portugal - uma edição especial, agregativa, que trabalhará a convergência e a divergência de trabalho nos diferentes tipos de festivais (e.g. música, cinema, teatro, literatura, cruzamentos disciplinares).