Carta Aberta – 500 dias depois, 500 festivais com as suas edições adiadas e canceladas. Até quando?

Em virtude da atualidade e de muitas medidas não cumpridas pelo Governo e Ministério da Cultura e castradoras de qualquer planeamento de festivais e festividades na atualidade, em virtude de constantes oscilações que tornaram o setor (ainda mais) deficitário vimos indicar, enquanto APORFEST – Associação Portuguesa Festivais Música, a entrega hoje de uma Carta Aberta junto do Ministério da Cultura onde se incluem pontos-chave sentidos pelo setor dos festivais, festividades e seus prestadores de serviço. Hoje o problema é grave, sem solução aparente, num rumo perdido de quem nos dirige e que queremos que ou deixe trabalhar de vez ou garanta um financiamento a quem continuadamente vê as suas produções adiadas, canceladas, proteladas no tempo. Na restante Europa assistimos a políticas de apoio à Cultura que permitam que a atualidade não prejudique o futuro, enquanto em Portugal caminhamos para um terceiro ano de crise pandémica – 2020 não existiu, 2021 perdeu-se e 2022 não consegue ser planeado!


Deixamos abaixo 10 pontos-chave urgentes:


1. A realização dos festivais e festividades no que resta do ano de 2021. Para isso deverá ser dada resposta ao seu Plano de