ENTREVISTA | Ricardo Ribeiro (diretor Alpha Security Company, Segurança Privada)

O mercado dos eventos não pode estar hoje dissociado da terminologia "Safety & Security" da qual os vigilantes inerentes às empresas de Segurança Privada são quem estão e se apresenta na primeira linha junto do público. Falámos com Ricardo Ribeiro, diretor da ALPHA SC, uma das empresas mais recentes nesta de prestação de serviço a festivais e que foi também a empresa adstrita aos primeiros dois Eventos Teste-Piloto para a Cultura, realizados no final de abril em Braga.



1. A ALPHA SC é uma empresa de Segurança Privada recente no mercado mas com um vasto expertise na sua equipa. De que forma poderão diferenciar-se num mercado altamente competitivo e na prestação de serviço junto dos festivais?

A diferença passa pela preparação das nossas equipas para prestar um serviço de qualidade em todas as valências para que estamos licenciados a operar. Para isso temos que colocar os nossos recursos humanos como a nossa prioridade máxima, pois são eles o pilar elementar da empresa e então temos que garantir boas condições de trabalho, formação adequada, não só na área da Segurança Privada, mas também noutras áreas que pensamos fundamentais para uma boa execução dos nossos serviços e fazer com que todos, sem exceção, sintam que são a empresa e não parte dela. Junto dos festivais, pensamos que o nosso trabalho passa também por garantir um bom acolhimento do publico, fazendo-o sentir-se confortável e seguro e também garantir que no decorrer de todo o evento são dadas todas as orientações necessárias para que o publico possa vivenciar todas as experiencias, inerentes ao evento, na sua plenitude. Esta postura aliada com um trabalho rigoroso no cumprimento das demais funções de um Assistente de Recinto de Espetáculos, faz com que as organizações possam estar focadas em garantir o bem estar de todo o staff que compõe o evento e o bom funcionamento de todas as estruturas

2. Como olham, dentro da vossa estratégia, para a atuação no mercado dos festivais. De que forma é importante para vocês esta área? Irão estar disponíveis para esta prestação de serviços em todo o país?

Sim, estamos disponíveis para a prestação de serviços em todo o país. Esta área, como todas as outras que compõe o nosso leque de serviços, é muito importante para nós e para qualquer empresa de Segurança Privada, assim como é muito importante para outras empresas que não sejam de Segurança Privada por tudo a que está associado à produção e realização de um festival. Olhamos para a atuação no mercado dos festivais como uma grande projeção dos valores da empresa, pois a atuação num festival também se reflete na prestação de outros serviços. Atualmente um festival não passa só por concertos, tem muitas outras experiencias associadas e temos a noção que uma boa prestação num festival pode abrir-nos portas noutras áreas.

3. Como gerem o recrutamento dos vossos colaboradores para estes eventos sazonais e como mantêm uma qualidade nos mesmos de forma a diminuir ao máximo o registo de incidências nesta tipologia de eventos (festivais)?

Para manter o padrão de qualidade temos uma equipa base que está preparada para operar em qualquer parte do país, essa equipa é que irá distribuir o serviço pelos restantes elementos. A titulo de exemplo, há um elemento que ficará responsável pela equipa de segurança afeta ao palco, outro elemento que ficará responsável pela equipa afeta ao controlo de acessos e assim sucessivamente. Esses elementos mantem uma comunicação permanente entre si e também com o coordenador de segurança que é o elemento que fará a ponte de comunicação com todas as entidades envolvidas no evento. O recrutamento neste tipo de serviços é relativamente fácil, em todos os grandes eventos trabalham pessoas de todo o país e a rede de contact