O uso da tecnologia RFID marca o futuro dos festivais, por Francisco Oliveira (CEO da Best ID)

06/10/2015

A Best ID é uma das empresas pioneiras na implementação do sistema RFID em Portugal. Uma ferramenta que parece, inevitavelmente, vir a mudar o rumo do sistema em que as entradas e pagamentos são executados hoje em dia nesta indústria. O sistema tem inúmeras vantagens e já está a ser colocado em diversos festivais um pouco por todo o mundo. Em Portugal encontra-se ainda em festivais de pequena dimensão e Francisco Oliveira, CEO da Best ID, procura expandir a presença do sistema para todos os festivais. Em que ponto se encontra esta tecnologia no nosso país?

Aporfest – Tiago Fortuna (A): O que é a tecnologia RFID?

Francisco Oliveira (FO): A sigla RFID significa “Radio Frequency Identification”, ou seja, a tecnologia utilizada faz a identificação sem necessidade de contacto. Assim é possível "ler" uma pulseira (RFID) apenas com o "encostar" de um leitor.

 

(A): Em que áreas de eventos trabalha a Best ID e a desenvolver que tipo de trabalho?

(FO): Neste momento estamos focados em 2 Produtos/Soluções distintos, mais adaptados ao organizador do festival. Com o Produto "ALLinONE" indicado para Festivais em geral, conseguimos fazer todo o controlo de acessos garantindo o "antipassback" (entradas duplicadas), pagamentos off-line com pré-carregamento de valores. Mesmo em eventos sem conexão a internet (modo offline) o promotor consegue fazer todo o festival recorrendo a um único software. Com o Produto CAPE, dirigido a eventos, desde a venda de bilhetes, controlo de registos em base de dados dos bilhetes validados bem como listagens de VIP ou convidados, bem como a troca do bilhete pela credencial e controlo de entradas nas respetivas salas ou áreas reservadas. 

 

(A): O que pode trazer para os festivais?

(FO): Com o nosso "AllinOne" a organização do evento consegue fazer a gestão completa do mesmo.  Desde a compra online do bilhete até à saída do festivaleiro do recinto. É a verdadeira chave na mão, damos todo o suporte necessário à realização desta tarefa de gestão, que vai desde a parte tecnológica, ao aluguer de equipamentos, suporte no local e até mesmo ao outsourcing de recursos humanos necessários a estas tarefas.

Uma única pulseira cumpre todos requisitos necessários - controlo acessos pagamento e emparelhamentos de redes sociais.

 

(A): Porque faz sentido o investimento agora em festivais?

(FO): Os festivais, nos últimos anos, têm sido uma moda recorrente no nosso país. No verão principalmente, cada ano surgem mais, por isso assumimos que é um mercado que vai evoluir e cada um se quer diferenciar com ofertas mais dinâmicas e tecnologicamente mais avançadas.

É aqui, que a Best-Id se quer distinguir oferecendo não só uma solução que permita a gestão de todo o evento, mas de avanço tecnológico, e que todos os anos reformulamos para uma melhoria continua. Começou pela mera gestão de entrega de brindes e cresceu de uma forma sustentável

 

(A): Em que festivais já se encontram presentes?

(FO): Temos tido presença numa parte significativa, mas com potencial para trabalhar com todos. Preferimos não revelar onde estamos e onde apresentamos propostas, respeitando o sigilo para com os nossos clientes Somos um parceiro que fica atrás do pano de cena, mas queremos ser um braço direito dos promotores ao não assumir a frente de palco.

 

(A): Qual é o custo da implementação do sistema?

(FO): Estamos naturalmente a par da economia do nosso país e temos noção da dificuldade em arranjar patrocínios para os festivais! Por isso mesmo, o nosso preço é sempre visto com um compromisso viável de valor vs qualidade. Acabamos por comercializar os nossos produtos, mais como um serviço do que com a simples compra de um pack de software e também por isso, o valor da compra é percebido mais facilmente.
 

 

(A): Já existe capacidade para implementar o sistema num festival de grandes dimensões em Portugal?

(FO): Os nossos produtos, foram pensados desde o início para gerir grandes volumes de transações. O nosso sistema já funcionou na casa das dezenas de milhar, mas posso-lhe assegurar, que na casa das centenas de milhar, vai funcionar de certeza, só muda a máquina de hardware que faz a gestão, o software está plenamente capaz.

 

(A): Caso o sistema tenha uma falha o caos pode instalar-se com alguma rapidez. Que tipo de planeamento é preciso ser feito antes da implementação do sistema para evitar a desordem?

(FO): O "All in one" tem garantia de funcionamento mesmo em condições de Offline! Funciona com encriptação única e com algoritmos próprios contra fraude. O anti-caos está pensado e em execução. O nosso sistema foi pensado para que isso não exista, não há falhas de rede, falta de comunicações, dificuldades em wifi, nada dissointerrompe o serviço. Mesmo assim, temos sempre o cuidado de ter aparelhos e consumíveis suplementares, ligações de rede de backup, etc..Para os problemas, que também acontecem, prevenimos ao máximo, e corrigimos quando acontecem de forma imediata com uma equipa qualificada no local.

 

(A): O que teria de ser diferente do que vimos no Lisb-On?

(FO): No que diz respeito ao nosso sistema, os promotores utilizaram todas as valias do nosso produto. Estamos sempre abertos a mais sugestões de melhoria, mas na minha opinião, tudo o que temos está lá, isto referente à gestão de entradas e dos pagamentos. Possivelmente com patrocínios a colaborar com esta área, poderíamos adicionar mais serviços, como as fotos com ligação ao facebook, e outras ideias que temos tido em execução pelo pais fora.

 

(A): Que benefícios têm os promotores ao implementar este sistema?

(FO): Uma grande mais-valia que implementamos recentemente no nosso software é a impossibilidade de vender álcool a menores. A pulseira RFID não o permite! Desde que tenha sido bem registada na entrada, e obrigado a mostrar o documento de identificação.

Uma outra é o promotor ter acesso e poder acompanhar em tempo real toda a estatística e movimentos do seu evento. Ter a tranquilidade de saber que ninguém dos bares, restaurantes ou tendas de merchandising tem de lidar com dinheiro. Poder controlar de forma mais realista o stock. Tem uma visão de todo o evento no momento, e se tiver que atuar, tem toda a informação na palma da sua mão.

 

(A): Será apenas uma questão de tempo até que a maior parte dos festivais tenham implementado esta tecnologia?

(FO): Esperamos que sim! Acredito que seja uma realidade mesmo muito próxima! 

  

(A): Acreditam que o associativismo da indústria pode trazer-nos benefícios?

(FO): Sem duvida nenhuma. Acreditamos em parcerias e na união de interesses, e estamos sempre abertos a poder formular acordos de colaboração.

Please reload

Notícias em destaque

Alterações ao Código de Trabalho na contratação colaboradores: Antes vs. Agora

December 11, 2019

1/10
Please reload

Notícias recentes
Please reload

Arquivo
Please reload